Médicos alertam para doenças auditivas

Especialista explica que a otite crônica causa perda de audição em cerca de 15% das crianças na faixa pré-escolar
 

São Paulo - Para conscientizar a população sobre as doenças de ouvido, nariz e garganta que afetam o desenvolvimento físico e intelectual das crianças, a Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica (Abope) lança a Campanha Nacional Otorrino Pediátrica. Realizada em parceria com a Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), a ação alerta a população para as doenças auditivas, entre elas a otite, inflamação no ouvido que atinge 70% da população infantil.
 

De acordo com a presidente da Abope, Renata Di Francesco, esclarecimentos sobre a otite secretora é um dos principais focos da campanha. A doença causa perda de audição em cerca de 15% das crianças na faixa pré-escolar e influencia diretamente no aprendizado.
 

"A otite crônica ou secretora tem como principal consequência a perda auditiva, que pode variar de um quadro leve para o moderado. Sua ocorrência atrapalha o desenvolvimento da fala, além de interferir no processo de alfabetização. Como não ouve bem, a criança é interpretada como distraída e desatenta", explica.
 

O tratamento da otite depende do tipo e do grau de perda auditiva. Pode ser clínico, por meio de medicamentos, ou cirúrgico. "Por isso é muito importante procurar um médico otorrinolaringologista, o único profissional habilitado para diagnosticar e tratar de afecções nessas áreas", esclarece Renata.
 

O diagnóstico precoce também é muito importante e ameniza as dificuldades de aprendizado. Quanto mais cedo o problema for identificado, mais rápida será a reabilitação. "Os pais devem ficar atentos ao comportamento da criança. Nos bebês, é possível perceber a otite caso ele chore ao mamar ou tenha febre", observa a presidente da associação.
 

RECOMENDAÇÕES
A equipe de especialistas das associações sugere algumas recomendações para evitar otites: aleitamento materno é um dos principais fatores de proteção; evitar mamar deitado; evitar chupeta; evitar entrada precoce na creche; evitar exposição ao cigarro; tratar obstrução nasal e alergia; tratar doenças que comprometem a imunidade.

 

Fonte: FolhaWeb

Fale Conosco

Mande suas dúvidas e sugestões para nós!

Enviar